SER, SEM SER NADA Eu não sou nada, sou ninguém. Sou barco sem rumo, sem vela, no tempo no espaço do além. Sou filha do vento, sou ventania, que parte do nada, não chego, nem saio sou uma porcaria. Sou um vaso quebrado, sou caco. Sou toda fracasso, sou nojo, sou asco. Um buraco vazio, permeio. Sou tudo de mau, nem me agüento que chata, vazia, babaca, nem penso, sou um tormento. Sou poeira, sou pó. Fragmento de vida, sem aura, perdida, confusa e aflita, estou só. Sou molambo, sou trapo, nada sou, nada faço e no mundo que passo, perdida estou.

Um comentário:

TATANKA YOTANKA disse...

Você é tudo, você é alguém.
Você é barco, com rumo, com vela, no tempo
no espaço, no infinito

Você é filha da terra, você é concreta
que parte do tudo, sim chega, e sai
voce é uma mulher.

Você é um vaso chinês, inteira.
Você é todo sucesso, você é pugnaz, lutadora

Um corpo cheio, inteiro.
Você é tudo de bom, tolerante
Uma graça, completa, inteligente
Você é uma alegria

Você é planeta, é sólida
Uma célula viva, com aura, centrada
Encontrada,despreocupada e acompanhada

Você é nobre, altiva, tudo é
Tudo faz e nas vidas que passas
Encontrada se faz