Amor e dor
Ela percebia, mas nada dizia.
Ela notava, mas não retrucava.
Seguia, nem ele a via! Nem podia:
seu tempo era pra si, seus amigos.
Importancia? Todos tinham, menos ela.
Qualquer escrito era visto, elogiado.
Qualquer sinal, era motivo de carnaval.
E ela? Coitada! Nada que tinha, lhe detinha,
não tinha jeito, nada era perfeito.
Foi-se uma vida,
foi-se um mundo,
foi-se tudo...
Mas nada se acabou,
pois ela, em sua mais cruel dor,
despiu-se sem piedade,
da veste mais bonita do amor.

Nenhum comentário: