Senhor!
Que eu tenha força
pra suportar todas as provações;
que minhas mãos, apesar de tudo,
sirvam apenas, para acariciar,
a palavra, para agradecer,
jamais para agredir
e meu corpo, apenas para amar,
enquanto eu existir.
Que em momento algum
eu perca a minha fé,
que nas noites de solidão,
eu sinta a tua companhia
e nas angústias, tuas palavras
alcancem meu coração.
Que eu não seja caridade,
mas que possa estender a mão
a cada um irmão,
num gesto de solidariedade.
Que a tristeza não me domine,
que a mágoa não me persiga
e jamais eu me torne indiferente...
que as dores da minha alma
me faça mais humilde
e que tua luz ilumine
o meu ser tão carente...
que eu seja apenas luz
e no caminho por onde passe,
leve apenas a esperança,
que possa transmitir a paz,
que não me perca jamais,
da minha alma, ainda criança.
Que eu não seja refém da dor,
mas que apesar de tudo,
eu possa ainda, ser,
mensageira do amor.

Aos meus amigos:
FELIZ ANO NOVO!
Que possamos vislumbrar um mundo de esperanças e paz!
Que nossos sonhos sejam realizados, o amor renasça no
coração dos homens e a compreensão de que precisamos
muito mais SER do que TER, comece a fazer sentido dentro
de cada pessoa.
Obrigada por me permitirem estar entre vocês!
Beijos
Talvez
Talvez,
em algum momento
o sol volte a brilhar,
passarinhos voltem a cantar...
Talvez, tudo volte ao seu lugar...
Talvez,
a vida, ainda me sorria
trazendo de volta a esperança,
porém, jamais aquela criança,
voltará a ter alegria.
Talvez,
o jardim, ainda, floresça,
a lágrima em sorriso se faça,
o amor da dor, se refaça,
a paz se restabeleça.
Talvez,
que a voz do coração,
não tenha se perdido pelo mundo
e que tanto amor, ainda sofrido,
não se transforme em decepção.
Talvez,
ainda amargando a saudade,
ainda lhe tendo em mim
esqueça essa dor e enfim,
eu possa viver de verdade.
Talvez,
que um novo amor aconteça,
ou, quem sabe até entristeça,
por ter medo de um recomeço
e outra dor assim, enlouqueço.
Talvez,
eu ainda esteja viva,
ou, amargue uma morte em vida.
Mas, de que me serve essa vida,
se em seus braços não tiver guarida?
Talvez,
não venha mais renascer
porque de tanto sofrer,
em meio a tanta dor,
não consiga mais sobreviver.
Talvez,
de tanto que dei meus carinhos,
sem nada pedir, nada querer,
hoje, me encontre nessa angústia
tentando juntar meus pedacinhos.
- x -
Obrigada minha amiga Grace pela nova roupagem do blog.

Só resta a esperança

As catástrofes se sucedem. É a revolta da natureza aos desmandos do homem. E ainda assim, a destruição acontece. Como agüentar tantas bombas lançadas na natureza? Quantos poluentes, que destroem a camada de ozônio? Sem contar com os desmatamentos, as queimadas, os derramamentos de petróleo nos mares, as armas químicas e nucleares... não há preocupação com as conseqüências.

O viver é apenas para satisfação do próprio ego. Doa a quem doer, aconteça o que acontecer! Vivemos num mundo em desequilíbrio, em desarmonia e assistimos a tudo sem poder fazer nada.

A natureza está em revolta, porque o homem a quem ela tanto beneficia, agora, se volta inescrupulosamente, contra ela e contra o próprio ser.

O homem se mata, mata a própria família, o semelhante, a natureza, desperdiça, joga lixo em qualquer lugar... que mundo é esse? Cada vez mais nos assustamos com tanto caos, tanta coisa ruim. Já não confiamos mais em ninguém.

Antigamente, a família primava pela educação, onde os valores eram passados de pais, para filhos. Havia respeito uns com os outros. O Ser, valia mais que qualquer coisa e sua palavra, estava acima de tudo.

Hoje o ter assusta, porque a ganância destrói o próprio Ser e tudo que possa impedir sua escalada. Não nos reconhecemos mais como semelhantes. Esquecemos a educação, os pais, Deus e os princípios que deveriam nortear a todos.

Onde foram parar a solidariedade, respeito e justiça? Ainda sonho com um amanhã de paz e respeito, que virá, com certeza! E trará mais amor, mais igualdade entre povos e Nações.

Espero não chorar mais essa dor. Espero ainda, voltar a acreditar no Natal. Ver florir os jardins do mundo. O olhar da criança sem angustias, o idoso cheio de esperança, o jovem em êxtase pela bela natureza, que nunca apreciou.

Quero um Natal, não de comércio, mas cheio de amor fraternal. Quero um Natal, onde todos tenham oportunidades por igual.

Quem dera acordar e descobrir que tudo não passou de um pesadelo... Que não existem crianças famintas, sem teto, sem saúde, sem educação. Que a natureza está em festa, não em destruição. Que as bombas foram apenas, efeitos dessa grande festa; sem químicas, sem desmatamento, sem poluição.

Que a violência de todas as espécies, foi um treino, para uma espiritual evolução, sem ferir, sem magoar, sem matar, sem qualquer má intenção.

Queria acordar no Natal e ver o Papai Noel, levando ao mundo, amor em forma de presente, queria uma grande fraternidade! A palavra de ordem fosse integração, porque como filhos de Deus, somos todos irmãos e assim, déssemos as mãos em solidariedade.

E diante de tanta calamidade, que o Pai, por nós, tenha piedade!

FELIZ NATAL E UM ANO NOVO DE SAÚDE, PAZ, PROSPERIDADE,

UNIÃO E FRATERNIDADE ENTRE POVOS E NAÇÕES!

Divagando nos sonhos de amor
Divagando nos sonhos de amor
ficam nas entrelinhas,
mensagens que em mares singram;
falam de um amor divinal
e nas viagens de cada verso
deixam reluzir o brilho do universo.
Mas, quem és tu afinal?
Quando falas desse amor,
perdido no tempo,
que ficou marcado no astral?
Se este amor é tão fortalecido,
o que te freia o sentido?
Por que falas em torres de areia,
na fortaleza que te abriga,
se como dizes,
não há mais o canto da sereia?
O que te impede
construir teus degraus,
que te levem, verdadeiramente,
a esse sonho que pulsa,
não mais adormecido,
em tuas entranhas,
em teu sentido?
Por que não abres os braços a ti mesmo,
acolhes o sentimento que te agita
e te entregas ao mundo dos amantes?
O tempo passa, nada acontece
e a teia que o tempo tece,
sufoca o amor, destrói os sonhos,
apaga o brilho da lua,
quando perde a esperança,
de ver o sol, em noites de luar,
porque ainda que errantes,
sol e lua precisam se abraçar.
Obrigada minha amiga do Pelos caminhos da vida, pelo carinho de sempre!
Deixo a todos os meus amigos com votos de FELIZ NATAL!
Seu refúgio, minha saudade
Saudade da minha infância,
da velha casa a beira mar,
do velho cais onde sentava,
das cirandas entoadas ao luar.
Dos sonhos adolescentes,
dos amores inocentes,
daquele sol poente...
Do encanto da primavera,
da paz na atmosfera.
Da nostalgia das folhas do outono
espalhadas pelo chão.
Das noites do intenso frio,
daquele inverno tristonho,
dos sonhos, no calor do verão...
Saudade do meu pé de carambola,
onde nas tardes fagueiras
sentia palpitar o coração.
Dos frutos do meu quintal,
das montanhas que ao longe
formavam uma tela divinal!
Ah!.. aquele lindo mar...
cujas ondas de leve, no vai e vem
acompanhavam o vento a soprar.
Divino céu azul!...
que não cansava de admirar.
Da natureza sempre em festa,
daquele sol a brilhar...
Hoje, apenas vejo a imagem,
que ficou como miragem
e nessa tela vem eternizar,
o que foi a minha casa,
o meu pedaço de chão.
Choro uma saudade marcante,
dessa paz tão distante,
que dói no coração.
Nesse mundo tão desumano,
tão errante,
onde a juventude,
desconhece essa beleza,
já não se importa com a natureza.
Saudade bateu no peito...
Lembrando a escada da varanda
das noites de emoção,
das belas serestas,
ao som do violão.
Ah! Bem que gostaria voltar...
pisar, novamente, aquela terra,
aquele campo, aquele mar,
minha simples casinha branca.
Abrir a janela do meu quarto,
onde os passarinhos em festa,
alegres, vinham cantar.
(Tela do artista plástico Adilson Pinto do Rio de Janeiro, batizada pelo autor:
"Meu refúgio", que inspirou a composição dessa prosa poética
e que brilhantemente, orna esta página).
Obrigada meu amigo!
A arte, o amor e a vida

A arte é um meio de vida,

uma forma de expressão.

A arte é um vaso de barro,

Um instrumento tocado,

um pincel na mão.

A arte é um sapateado,

uma dança de rosto colado,

uma busca da perfeição!...

A arte é um eterno canto,

que traz sempre um encanto,

em toda composição.

A arte que traz no interpretar,

a arte de saber viver

e a arte que faz sorrir,

também inspira o sonhador,

a arte do amor.

A arte que traduz numa tela,

um desenho sedutor;

pinta o belo, o surreal,

e o impressionismo,

do mundo em desamor.

Beijar também é arte

morrer amando faz parte,

pra renascer no paraíso,

nos braços do amor.

A arte que compõe, dança,

pinta, rabisca, canta,

modela, interpreta

e se encanta,

é a mesma arte,

que dentre tantas

ensina a refazer a vida

e traz a luz da razão,

em poemas e prosas,

a mais pura emoção,

de amar e ser amado

em todas as suas formas.

Meu eterno amado
Entre nuvens eu brinco
e em seus braços, sorrio.
Vivo o que jamais vivi,
sinto o que nunca senti.

Anjos que tocam harpas,

luas que espalham sonhos,

sereias que ao longe cantam,

corações amantes se encantam.

Sois que aquecem a vida,

mares que trazem esperanças.

Ternuras intensamente vividas

encontro de almas conhecidas.

Olhares que se cruzam

nas carícias e desejos,

sonhos entrelaçados,

por corações apaixonados!...

Canto a eterna emoção,

canto um amor sem fim...

Aos cinco anos a seu lado,

meu doce e eterno amado.

Meu Flá, te amo!

Meu Flá,

Durante os anos de saudade,

amei você em meus sonhos,

e no silêncio da minha paixão

lhe guardei no coração.

Sua Lú

Meu doce Flá

Ah!, o amor...

adorado em poemas,

em todos os fonemas,

que durante anos

foi tão sonhado!...

Fervilha a paixão,

sublime amor,

quase perfeição!

Amor, de todos os versos,

todos os encantos,

todas as luas,

todas as marés.

Que vive em meu coração;

no ar que respiro,

nos meus sonhos,

nos meus desejos

e em todos os meus verbos,

de qualquer conjugação.

Obrigada meu docinho!

Por existir em minha vida;

por tanta felicidade,

por todo carinho,

por toda cumplicidade!

Dorme poeta!

Dorme poeta!

Porque diante das superficialidades grotescas da humanidade,

os seus doces poemas, parecem até surreais.

Dorme poeta!

Sonha com o mundo cheio de cor, pois assim,

seus belos sonhos, traduzem beleza e amor, em tons naturais.

Dorme poeta!

Porque enquanto seu canto encontra guarida, nos corações apaixonados;

a criança sorri, o homem se encanta, a mulher tem esperança!

Dorme poeta!

Porque nos gestos cortês, de pequenos atos, é que se mantêm vivos:

a flor e o amor. E essa mensagem, o mundo alcança.

Dorme poeta!

Divague na emoção, mesmo acordado; embale os sonhos

dos apaixonados e leve um sonho, a esse mundo tão desencantado!...

Dorme poeta!

Traz a luz do sol, o encanto, a magia da lua e o cintilar das estrelas,

mostre em sua poesia, que assim, tudo será transformado.

Dorme poeta!

Descanse os olhos, que em lágrimas escrevem; as dores do mundo e

o canto das fadas, que trazem esperança de ver tudo mudado...

Dorme poeta!

Porque os seus sonhos, não só escrevem, mas transformam em letras,

histórias de amores profundos.

Dorme poeta!

Pois sem os sonhos, o que há de ser da vida, escrevendo apenas;

o caos, o desencanto e a frieza da razão?

Dorme poeta!

Sonhe, ainda que acordado, viaje em seus devaneios

alce vôos intermináveis, siga a intuição...

por que ser poeta?... é viver no limite da emoção!

A todos os amigos do blog e ao meu poeta maior; meu doce amor, Flá.

Todos os que sonham com um mundo

menos violento, com mais união!

Sonho e sedução

Amor sonhei cosigo esta noite.

Era em um lugar lindo,

distante desse mundo.

Você me esperava,

vestido de amor,

e a coroa de rei

o meu lindo rei.

A lua reluzia,

o céu encantava.

Cheguei toda brilhante,

com um traje elegante

o seu preferido;

num véu esvoaçante.

De salto alto,

feliz e sorrindo.

Uma coroa de rainha,

a sua rainha.

Tomando-me pela mão

conduziu-me ao som da canção.

Dançamos agarradinhos,

trocamos carinhos;

um sonho de sedução.

Tirou-me o véu,

tirou a coroa de rainha

ao meu ouvido sussurrou;

só minha!...

E eu lhe fiz meu amor,

meu doce tesão.

Em seu olhar me perdi,

em seu beijo viajei,

senti os pés fora do chão

e nas carícias desvairadas,

no encanto da noite enluarada,

nos sussurros em frenesi,

em êxtase, em seus braços,

loucamente, me perdi.

Agradeço aos meu amigos,

que sempre me encantam com carinhos,

em forma de selinhos...

Quero dividir com vocês, que são tão queridos.

Pelos caminhos da vida