Meu barquinho de papel

Fiz um barquinho de papel

e desenhei um coração.

Nas águas das minhas lágrimas

naveguei na emoção.

É um barco bem pequenino

que leva amor e esperança,

um sonho que trago comigo,

desde o meu tempo de criança.

Vai meu lindo barquinho,

segue o rumo da vida;

que possas encantar o mundo

e a mensagem não fique, por aí, perdida.

No coração que desenhei

pintei teu nome de azul,

porque desejo que a paz,

domine o mundo de norte a sul.

Coloquei nesse barquinho,

um mundo sem desigualdade;

sonhos que trago dentro de mim,

crianças sorrindo de felicidade.

Na proa desenhei umas flores,

na popa cifras de uma doce canção.

Segue, meu barquinho teu rumo

leve esta mensagem a toda Nação.

Que o desamor não embarque

e o comandante, a felicidade,

leve na bagagem a emoção,

de uma vida sem maldade...

Que esse rio seja abençoado

e leve sem avaria meu barquinho;

nos traga um mundo encantado,

cheio de paz, amor e carinho...

Contigo na distancia

No cantinho da nossa cama

escuto o som,

em ti, pensando...

Estou contigo na distancia,

como se juntinho,

estivesse te amando.

Em lágrimas,

meus olhos embaçam,

da saudade

que dos teus, reclamam.

Pois é a sombra

que me envolve

no frio da madrugada,

nas noites

em que passo acordada,

quando não estás junto a mim.

Meu corpo a te querer,

me absorve

e no silêncio

do nosso quarto gelado,

sinto teu cheiro e vejo,

tuas marcas

em nossos lençóis;

teu corpo

em meu corpo tatuado.

Vibro ao som

dos teus gemidos,

em meus ouvidos,

gravados.

Inquieta, te chamo baixinho

e nesse insane desejo

quero teus beijos,

teu carinho.

Quero sentir o toque,

dos nossos corpos suados.

Sem perceber,

o dia amanhece;

é mais uma noite que se vai,

deixando o vazio,

que em mim, adormece.

O sol se levanta

e traz esperança...

é um novo dia;

assim,

a minha tristeza

se esvai, silencia...

Selinho recebido da minha amiga Ana

do blog Pelos caminhos da vida

Obrigada minha amiga! Repasso a todas que por aqui passam.

Amigos desculpem não estar postando, mas meu blog só quer publicar tudo desconfigurado e preciso um tempo pra ver o que está acontecendo.

O cisne branco

Contemplo este lindo céu azul,

enquanto sonho em tua paisagem.

Em cada pincelada, uma miragem,

dos teus momentos encantadores!

Sorvo lentamente, cada detalhe,

e degusto, pouco a pouco,

o sabor de um mundo sem desgosto;

que só existe, na essência de sonhadores.

Me perco no encanto do teu amor,

que na tela vejo escrito,

pelas mãos hábeis de um pintor,

em todas as cores desse teu universo...

Quanto tempo passei pela vida,

sem dividir contigo esta emoção.

Hoje, encontrei O caminho; vejo ternura,

na linguagem do teu coração.

Sinto deslizar em tuas telas,

os pinceis formando letras, compondo versos...

solto a imaginação, meus olhos são janelas;

muito além da paisagem

e por detrás dessa imagem

existe um cisne branco, num lindo lago,

que imagino e acompanho o teu bailado.

Em meus desejos, num gesto de carinho,

o afago de mansinho...

No fulgor da tua bela tela,

à sombra daquele arbusto,

me aninho, sonho e com jeitinho

escrevo teu nome, pincelo teu busto,

mas nada é igual, a foto original.

Porque a essência do artista e do amor

não se traduz no papel,

mas se sente na alma

de uma forma muito pessoal!

(Uma homenagem ao meu amigo

Adilson Pinto, autor dessa bela tela,

intitulada O caminho)

Verso e reverso

O amor e a dor,

um vaso sem flor.

A prosa e o verso,

um colorido sem cor.

É querer e não querer,

o medo de sofrer;

verso e reverso,

histórias do meu viver.

Sol e lua,

poemas de alma nua.

Os lados da vida

canto e lamento, ser tua.

Coração partido,

louco amor contido;

segredo profundo,

pelo olhar refletido.

Razão e paixão,

corpo e coração,

princípio e fim,

vazio e emoção.

O tempo passou,

a vida desbotou,

mas esse amor infinito,

nem assim apagou.

Amor sem folguedo

do futuro tem medo,

amor em silêncio,

sinceridade e segredo.

Amor e paixão,

carinho e tesão;

o ser e o não ser;

coisas do coração...