Obrigada meu amor! Simplesmente por existir em minha vida. Te amo! Sua Lú

O nosso mundo

Gosto, às vezes, de pensar que temos um mundo só nosso.

Um mundo sem doenças e sem dores; sem frustrações nem sofrimentos.

Um mundo colorido e belo, onde cada paisagem nos fala ao coração.

Onde nada existe lá fora e o tempo parece não passar, entre os nossos carinhos

e o sonho de que nos bastamos.

Onde me refugio em ti e entre teus braços abandono as minhas angústias.

Onde passeio em teu corpo e desfruto de cada centímetro desse altar dos meus desejos.

Onde a tua carne se junta à minha,

as nossas peles se completam e o mesmo sangue corre por nossas veias.

Onde as nossas almas se encontram, para dividir sonhos e esperanças. Onde emoções

e sensações unem almas e corpos,

e entre ondas de prazer transcorre a nossa viagem encantada ao porto da plenitude.

Onde a beleza é o teu corpo nu, diante do espelho; onde brilham os teus olhos nos meus,

e a paixão torna rouco o som do teu sorriso.

Ninguém mais o perceberia, talvez, mas por ele sei o quanto me desejas.

Em nosso mundo, percorro lentamente os montes dos teus seios e os

meus lábios colhem as delicadas cerejas,

que ornam a pele branca como a neve.

Em nosso mundo, a minha pele se arrepia ao toque suave dos teus dedos

e o meu corpo se contorce,

ansioso, enquanto o percorrem os teus lábios macios.

Em nosso mundo, os meus dedos deslizam sobre a tua pele sedosa;

como gotas de orvalho que acariciam,

em delicioso vagar, a delicada flor do prazer.

Em nosso mundo, os sons da entrega compõem a sinfonia que flutua no ar e,

em incontrolável crescendo,

explode no orgasmo que nos preenche e liberta.

Perco-me, sim, nos gemidos de ânsia que saem de teus lábios e aos meus

próprios gemidos se misturam,

enquanto os nossos corpos famintos se encaixam no bailado profano do sagrado amor.

Perco-me, sim, nas vagas cálidas que me invadem, enquanto juntos

mergulhamos no oceano da Eternidade,

até o infinito segundo que resume todo o tempo do universo.

Perco-me, sim; e, entretanto, é quando me encontro.

É quando me sinto corpo e alma; quando percebo que cada pequena parte

de mim te reclama,

para que a vida seja completa. Quando o frio da solidão se esvai de mim,

ao calor da tua presença.

Em ti, descubro o encanto do luar o e o calor do sol. No teu corpo, o meu corpo revive;

excitam-me os teus sabores e cheiros, cativa-me a ânsia apaixonada que existe em ti.

Na tua alma, a minha alma repousa. Bebo da fonte inesgotável do teu carinho,

sorrio do teu jeito infantil,

maravilho-me com a doçura do silêncio que desce às vezes sobre nós.

E sou feliz neste mundo, que é só de nós dois.

Flávio

12 comentários:

O Árabe disse...

Sei que me repito, mas às vezes é inevitável: belo post, bela foto! :) Boa semana.

Paula Barros disse...

É sempre gostoso ler esse amor retribuido, ao som de uma música romântica e suave. Que possam viver o amor, a harmonia, a entrega..
Felicidades!

abraço!

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo post...bela fotografia...Espectacular....
Beijos

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Linda prosa poético-amorosa.
Um beijo, querida Lúcia.
Boa Semana,
Renata

São disse...

Olhando a foto, ninguém dirá que é avó!

Que sua felicidade seja continuada, querida amiga.

Abraços , muitos.

Daniel Costa disse...

Lúcia

Que belo trecho de prosa poética, Flávio te dedicou.
Fico estarrecido sem palavras, sei que merececes francamente e naturamente as sentes no coração de mulher meiga e de muita suavidade.
A minha admiração por ti.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

O amor e suas mais gostosas descobertas.

Beijo, Lúcia.

Rebeca

-

Luma Rosa disse...

O amor... sempre inspirador!!

"Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca"
(Alexandre O'Neill)

Boa semana!!

Desnuda disse...

Querida amiga,


foto linda porque você é realmente linda interior e exteriormente. O poema é amor! Amor que movimenta a vida e este amor lindo transborda em cada frase. Lindo!!!


Carinhoso beijo e linda semana, querida.

Valquíria Oliveira Calado disse...

Olá, vim deixar um carinho de amiga, com abraços de paz, beijos no teu coração.♥

Olavo Bilac

Natal


Jesus nasceu. Na abóbada infinita
Soam cânticos vivos de alegria;
E toda a vida universal palpita
Dentro daquela pobre estrebaria...

Não houve sedas, nem cetins, nem rendas
No berço humilde em que nasceu Jesus...
Mas os pobres trouxeram oferendas
Para quem tinha de morrer na cruz.

Sobre a palha, risonho, e iluminado
Pelo luar dos olhos de Maria,
Vede o Menino-Deus, que está cercado
Dos animais da pobre estrebaria.

Não nasceu entre pompas reluzentes;
Na humildade e na paz deste lugar,
Assim que abriu os olhos inocentes
Foi para os pobres seu primeiro olhar.

No entanto, os reis da terra, pecadores,
Seguindo a estrela que ao presepe os guia,
Vem cobrir de perfumes e de flores
O chão daquela pobre estrebaria.

Sobem hinos de amor ao céu profundo;
Homens, Jesus nasceu! Natal! Natal!
Sobre esta palha está quem salva o mundo,
Quem ama os fracos, quem perdoa o mal,

Natal! Natal! Em toda a natureza
Há sorrisos e cantos, neste dia...
Salve Deus da humildade e da pobreza
Nascido numa pobre estrebaria.

FELIZ NATAL!

Maria disse...

Um poema como há bastante tempo não lia. Já tinha mesmo saudades de passar aqui.
Desejo-te um excelente natal e um ano novo carregado de FUTURO!

Beijos.

sinfonia disse...

Um Feliz e Santo Natal.
Saudações bloguistas