Solitário destino

Caia a tarde em pleno verão

e ao olhar aquele por do sol

por detrás daquela serra,

lá no infinito, daquela imensidão

a minha alma triste, vazia

escutava o canto de dor

do meu solitário coração...

Lá onde a montanha

parecia pequena, distante,

e as gaivotas em bando,

pelo mar, iam adentrando;

alçando vôos, perdidas no horizonte.

E eu, olhando distante o mar revolto

e aquele lindo barquinho

no oceano perdido,

num momento de desatino

lembrei do meu solitário destino.

Singrando pelos mares,

em caminhos errantes

desfazendo o novelo,

tecendo as teias,

com precioso desvelo;

quem saberia entender meu lema,

quem poderia cantar o meu tema?

A bordo estavam a minha alma

e toda minha emoção;

seguia o barquinho sem rumo,

sempre nos fins de tardes,

em qualquer estação.

Enquanto eu,

quieta, pensativa, perdida,

olhando distante a vida,

o mar revolto, enfurecido

vislumbrei um mundo em desencanto;

vi guerras, fome, ódio e destruição.

Assim, naquele barquinho perdido,

coloquei meus sonhos,

minhas esperanças

e um cartão todo colado

com as fotos do meu amado.

Era a minha alma tristonha,

tentando encontrar aquela risonha,

um mundo encantado de amor e carinho,

que outrora, fazia do seu barquinho,

apenas, um alegre brinquedinho.

Singrando nesse mar sem rumo,

desse desconhecido mundo,

levando meus sonhos frustrados,

que ficaram eternizados,

em minha alma felina.

E os dois corações rabiscados,

em meus sonhos de menina.

Seguiu também no barquinho,

meu pequenino coração

deixando somente a saudade

e a minha triste solidão.

Dance comigo

Vem, dance comigo

segure minha mão,

me faz toda sua.

Quero sentir pulsar

no meu, o seu coração.

Vem, me diga baixinho

O quanto me quer,

me leve a seu ninho,

me pegue com jeitinho,

me faz sua mulher.

Quero ir nas estrelas,

flutuar na lua

numa doce loucura.

Vem, dance comigo,

sou toda sua...

Vem minha paixão!

Vem de mansinho,

me toque de corpo e alma,

me leve em seu caminho,

de amor, desejo e carinho.

Obrigada aos amigos pela compreensão e respeito, num dos meus maiores momentos de tristeza.