Ah, Saudade!...

Saudade...

... é dor que dói, sem doer;

É lágrima que cai sem querer.

É realmente, uma palavra difícil de definir.

Pois é tão doída que fica complicado exprimir.

É uma angústia que não passa, não se explica,

mas quando a noite vem...

ah, saudade que dói, se intensifica!..

Saudade é uma porta entreaberta,

uma casa vazia, ainda que cheia, em festa...

Saudade é um nada, que nos preenche de tudo;

desde a lembrança do amor,

que apesar de tão perto, está distante,

que nem sempre, se tem a presença constante...

é um mundo abstrato, apenas nosso, difuso.

São beijos e carinhos afogados na dor.

Como o sentir é algo intransferível, pessoal,

cada um tem a sua verdade, sua definição;

mas toda saudade têm algo em comum, normal...

...ah,saudade!... quando ela não mata,

maltrata, machuca o coração.

Meu amado; obrigada por existir em minha vida!

Amor essa musica vai especialmente pra você, com todo meu carinho...

Esse poema foi uma homenagem da minha doce

netinha de 9 anos, Bia. Obrigada minha linda!

O poema

O poema é a dança da bailarina

é um laço sendo amarrado;

o poema é o recheio da rima...

O poema precisa de muita atenção:

com o papel, lápis e borracha na mão,

escreva de montão, para chamar muita atenção.

No poema tem várias frases e rimas;

por isso vamos escrever,

para um bom poeta ser.

De Bia para vovó Lucinha
Na luz do teu terno olhar

Quando os teus doces lábios tocam os meus

delírios e canções ressoam em meus ouvidos

e no toque suave das tuas mãos

vibra meu corpo, me fazendo perder os sentidos.

Na luz suave desse teu terno olhar

flutuam os meus olhos, por onde vejo o luar.

E em cada nota da canção, deste amor ensandecido,

me sinto uma deusa, do nosso mundo perdido...

Em cada beijo, em cada parte desse corpo

onde me escondo e me perco em teu carinho

vibram meus anseios, meus desejos e me aninho...

...é a vida que pulsa, segue o compasso da emoção;

somos dois, em um só coração:

cúmplices no desejo, amor e paixão.